Make your own free website on Tripod.com

Capoeira Sul da Bahia

Historia da Capoeira
Home
Horarios das Aulas
Sobre o nosso Grupo
PROFESSOR
Fotos
Eventos
Historia da Capoeira
Mestre Bimba
Mestre Pastinha
Quilombo dos Palmares
zumbi
Ganga Zumba
Mestre Railson
Links
Contate-nos

Saiba um pouco mais ....

As tradições e a história africanas foram transmitidas e
registradas mais no boca a boca que nos documentos históricos escritos. Pelo Decreto de 14 de Dezembro de 1890 do então Ministro de Fazenda Rui Barbosa toda a documentação referente à escravidão negra no Brasil foi mandada a queimar nos deixando pouco material para reconstituir a história. Mas se acredita que:

Para colonizar o Brasil, colônia recém descoberta da América do Sul, os portugueses precisavam de mão de obra. Mão de obra suficiente para a construção do império e para os plantios de cana de açúcar, algodão, café e fumo. Após a fracassada tentativa de utilizar mão de obra indígena os portugueses trouxeram os primeiros escravos da África para o Brasil (meados do sec. XVI). Os negros eram aprisionados na África, trazidos em navios negreiros e vendidos em regime de completa escravidão. Ao tornar o negro escravo, suprimiam sua cultura, sua alma e torturavam. Interessavam-se apenas pelo corpo , sua força de trabalho.



A capoeira nasce neste período, uma forma de resistência dos escravos negros, um instrumento de libertação contra um sistema dominante e opressor, a busca da liberdade por uma raça escravizada e mal tratada por seu colonizador.

Nas fugas para os quilombos resultou de extrema utilidade para lutar contra os capitães do mato. Estes recebiam ordens para capturar o maior número de escravos vivos, sem inutilizá-los para o trabalho forçado. Assim, os escravos refugiavam-se nas matas e capoeiras e defendiam-se com tal destreza e violência que muitas vezes debandavam os soldados que pretendiam agarrá-los. Foi assim que se espalhou a fama do jogo da capoeira.

Nas senzalas era praticada nos raros momentos de folga e para que os senhores não desconfiassem de que aquilo era um combate, aliaram aos golpes a ginga e a música inerente em sua alma.

Nas cidades, inicialmente, era nas festas populares que os capoeiras se encontravam. Era onde podiam relaxar do trabalho forçado, das torturas e esquecer sua condição de escravo, assim, era comum vê-los fazendo arruaças pouco se importando de estarem perturbando.

Com o passar do tempo aumenta a fama de lutador do capoeirista, vestindo-se de maneira particular, chapéu de lado e argola na orelha eram capazes de fazer grandes desordens em segundos e conseguir escapar ilesos, o capoeira se oferece mercenariamente para assassinatos e emboscadas e passa também a ser usado pelos políticos como capangas e são temidos até pela própria polícia.

De 1865 a 1870 acontece a guerra do Paraguay, onde muitos capoeiras são enviados para a frente de batalha e voltam como heróis pelo sangue frio e astúcia que demonstraram nos campos de batalha.


Nesta época a capoeiragem encontra-se em seu apogeu. No Rio de Janeiro, Recife e Salvador foram as principais cidades onde a capoeira proliferou.

Identificados como criminosos profissionais, o nome capoeira é associado ao malandro, desordeiro, ladrão.

Com a chegada da República, em 1889, o Marechal Deodoro da Fonseca, pressionado pela crescente onda de criminalidade, inicia uma campanha de combate à capoeira.

Qualquer indivíduo que fosse encontrado praticando capoeira era sumariamente recolhido à ilha Trindade (Fernando de Noronha) para trabalhos forcados. O código pena de 1890 previa de 2 a 6 meses de prisão celular aos praticantes dos exercícios de agilidade e destreza corporal conhecidos pela denominação de capoeiragem.

Esta situação vai se arrastando até 1932 quando Mestre Bimba tira a capoeira das ruas e a coloca nas academias, onde os ensinamentos são aprimorados e as exibições começam a ser vistas por camadas sociais superiores.

Assim, a história da capoeira passa por transformações profundas. A classe média e a burguesia correm para as academias, a princípio para assistir e depois para aprender e praticar.

Daí, a 9 de julho de 1937 o governo oficializa a capoeira dando a Mestre Bimba um registro para sua academia. Um status social superior invade as academias afugentando aqueles capoeiras conhecidos por desordeiros. Os que resistem e continuam a frequentar se esforçam para se enquadrar no novo perfil que a capoeira toma.

Assim, inicia-se sua ascenção socio-cultural, voltando ao cenário cultural, está presente na música, nas artes plásticas, na literatura, nos palcos. Antes, uma atividade praticada quase que exclusivamente por homens, passa a ser praticada também por mulheres e crianças.

Em 1973 é reconhecida oficialmente como esporte nacional. Daí em diante não para de crescer e se expandir adquirindo cada vez mais adeptos de todas as raças e camadas sociais do Brasil e de todo o mundo.